Todos

Como escolher o colchão ideal?

Ter um bom colchão faz toda a
diferença na hora de dormir e recarregar as baterias para o dia seguinte. Mas, como escolher o modelo ideal? A RG consultou Marcelo Seloto, da MS Colchões, para
transmitir algumas informações
que podem ajudar a selecionar o
que mais se adapta à necessidade
ou preferência de cada pessoa.
Segundo ele, atualmente há
colchões extramacios, macios, médios, firmes e extrafirmes. E não
existe uma regra pra decidir qual
é o melhor. “Então, pode escolher
o modelo que preferir. O colchão
ideal é aquele que te dá uma boa
sustentação, sem afundar muito,
mas deixando você o mais confortável possível”, esclarece.

 

DENSIDADE E TAMANHO
A densidade do colchão é a
quantidade de espuma que ele
tem por metro cúbico. Quanto
mais densidade ele tem, mais peso
e pressão o colchão aguenta!

 

MOLAS OU ESPUMA?
Molas: os colchões de molas são
fabricados tanto com molas quanto
espumas. Assim, eles dão sustentação, estrutura e conforto na medida
certa. E a qualidade de um colchão
de molas é medida pelo tipo de mola
que ele usa, como ela é colocada dentro dele e pela qualidade do molejo.
Espuma: são colchões com 100%
de espuma dentro dele para sustentar o corpo de quem o usa.
“Ele precisa ser bem cheinho pra
aguentar seu corpo, sem amassar
muito”, comenta Marcelo.

TIPOS DE COLCHÕES
Há vários modelos de colchões, com muitos materiais e
alturas diferentes. Mas, além das
alturas, densidades e dos muitos
tipos de molas e espumas, existem outras qualidades que o colchão pode ter. “E para você não
se perder com tantos nomes diferentes, verifique a explicação para
esses termos:

One-side: são os colchões que
têm uma face só. “Então, é só girar
a parte que está na cabeceira para
os pés e vice-versa a cada 30 dias
e ele vai ficar retinho por muito
tempo!”, recomenda.

Pillow Top: é o colchão que tem
uma camada a mais na parte de
cima para deixar ele ainda mais
macio e confortável,.
Colchão ortopédico: “É mais
firme do que a maioria, para diminuir a pressão sobre o seu corpo
enquanto você dorme. Ele deixa
seu corpo alinhadinho! Só tome
cuidado, porque nem todo colchão
mais duro é ortopédico. E antes
de usar um desses, é importante
conversar com seu ortopedista”,
aconselha.

Antialérgico: contém materiais
que não pegam fungos, bactérias e
nem acumulam ácaros! São ideais
para quem sofre de rinite, sinusite, bronquite ou asma.
Marcelo Seloto deixa o convite
para conhecer a MS Colchões, na
Vila Galvão, onde o leitor poderá
entender melhor essas características e optar pelo colchão que
melhor satisfaça seu gosto ou características.